domingo, 30 de junho de 2013

Medianeras *


Como prometido, vou escrever um pouquinho sobre um filme lindo que eu vi, e que me deixou encantada: Medianeras: Buenos Aires da Era do Amor Virtual.

O filme é todo intimista e acho que vai ser 8 ou 80. Ou você vai amá-lo ou odiá-lo. Eu amei! 

Quis vê-lo porquê vou novamente pra Buenos Aires (aqui uma postagem especial sobre a cidade!) e o filme mostra uma Buenos Aires bem detalhada e na visão de moradores de lá! Só de mostrar a cidade de um outro ângulo, citar alguns pontos turísticos famosos, tentar explicar as construções e sua falta de padrão e modelo estético arquitetônico, de explicar o que são as Medianeras (fundamental na beleza metafórica do filme), e de citar "o que se pode esperar de uma cidade que virou as costas pro seu rio?", só disso tudo, já valeria a pena você assistir. A arquitetura portenha aparece como uma vilã e como metáfora de isolamento e falta de comunicação.


Estou convencido de que as separações, os divórcios, a violência familiar, o excesso de canais a cabo, a falta de comunicação, a falta de desejo, a apatia, a depressão, o suicídio, as neuroses,os ataques de pânico, a obesidade, as contraturas, a inseguridade, a hipocondria, o estresse e o sedentarismo são responsabilidade dos arquitetos e da construção civil. Destes males, salvo o suicídio, padeço de todos.” (Frase do Martín - pouco doido?)

"Estes edifícios que se sucedem sem nenhuma lógica demonstram uma total falta de planejamento. Exatamente igual à nossa vida, vamos vivendo sem ter a mínima idéia de como queremos ser. Vivemos como se estivéssemos de passagem por Buenos Aires. Somos os inventores da cultura do inquilino. Os edifícios são cada vez menores, para dar lugar a novos edifícios, menores ainda. Os apartamentos se dividem em ambientes, e vão desde os excepcionais 5 ambientes com varanda, sala de jogos, dependência de empregados, depósito, até a quitinete, ou caixa de sapatos." (Martín again)



Mas não, não fica por aí!
O filme conta a história de Martín e Mariana. Ambos com problemas de relacionamentos, causados por relacionamentos horríveis que tiveram em suas vidas! Não, ninguém tá sofrendo de dor de cotovelo no filme! Não!!!! tão é deprimidos por terem perdido tempos preciosos de suas vidas com pessoas erradas, que não valiam a pena e nem tinham nada a ver com eles. #quemnão?

"Como é possível ser próximo de alguém tão diferente?
É a conclusão estúpida que fica de uma relação de quatro anos (...) Quatro anos são 48 meses... são 1.460 dias... são 35.040 horas com a pessoa errada." (Frase da Mariana)

Martín e Mariana não se conhecem, mas nitidamente foram feitos um para o outro! O legal é que grande parte do filme se passa sem que não haja nenhum contato entre eles, e você sente, a cada minuto, o quanto eles são próximos e parecidos. Gostos semelhantes, comportamentos complementares, angústias e medos familiares. É apaixonante torcer por eles, porque você pensa: Noooooooossaaaaa! tem alguém no mundo que vai entender a loucura dele e vai fazer ele feliz! E não vai criticar, nem querer mudar! Fofo!

E pra variar, essa pessoa tá tão perto, tão na cara, tão literalmente a um clique de você que fica até difícil de aproximar: "Se, mesmo sabendo quem eu procuro, não consigo achar... Como vou achar quem eu procuro se nem sei como é?" (Outra frase da Mariana, sim ela é bem louca, mas fofa!).

Pra saber um pouco mais, a história é narrada por estes dois personagens, que tentam se libertar das amarras da solidão que a cultura virtual e a arquitetura de Buenos Aires acarretaram para portenhos que vivem sozinhos. O diretor do filme, Gustavo Taretto, explica que quis retratar uma solidão que não é dramática, mas "uma solidão a que já estamos acostumados. De todos os dias. Solidão urbana. A solidão que sentimos quando estamos rodeados de desconhecidos"

Olha a carinha dos protagonistas:



E pra quem ficou mais curioso ainda, ta aqui o trailler:



Boa semana pra todo mundo!

Medianeras (ou pared medianera) é nome dado àquelas paredes sem janelas dos edifícios, também chamadas de paredes cegas. Geralmente, são as paredes laterais de um prédio, que, por sua proximidade com o edifício vizinho, não se pode "abrir janelas". Muitas vezes, estes espaços são usados para afixar outdoors ou algum tipo de publicidade. Na Argentina a construção de janelas em paredes medianeras é proibido por lei, ainda assim muitos descumprem a ordem, em busca de mais claridade em seus apartamentos.

9 comentários:

  1. Poderia estar falando de uma qualquer cidade portuguesa, infelizmente.

    Principalmente de Lisboa, que -debruçada sobre o estuário lindo do Tejo - se fecha sobre si mesma.Embora, tenha melhorado um pouco com o aproveitamento do estupendo espaço do Terreiro do Paço.

    A arquitectura moderna é aço, vidro e betão e tem formas agressivas, esquinadas.Lamentável.

    Boa semana, linda

    ResponderExcluir
  2. Comecei a ver esse filme na faculdade e amei! Pena que ainda não vi o final rs Vou ver se baixo nessas férias e assisto! :)
    Beijos! =**

    ResponderExcluir
  3. Querida amiga

    Em tempos de tantas
    produções vazias,
    é um bálsamo encontrar
    alguma coisa
    que nos embale os pensamentos.

    Que os sonhos
    te enlacem a vida.

    ResponderExcluir
  4. Olá! Eu não havia lido a respeito desse filme ainda, mas seu texto instigou minha curiosidade. Adorei, e também saber o que são medianeras. Um abraço!

    ResponderExcluir
  5. Com certeza a sua postagem instigou a minha vontade de assisti-lo. Já li boas críticas sobre o filme. Beijos.

    ResponderExcluir
  6. Bela sinopse, Moça! E sempre vale a pena conhecer mais um pouco de Buenos Aires, não é? :) Boa semana!

    ResponderExcluir
  7. E é global este sentimento de solidão no meio de tanta gente. Por isso cada vez mais se foge da cidade para voltar `as origens que fazem parte de nós: a terra.
    Uma bela sinopse para refletir
    beijinho grande

    ResponderExcluir
  8. Ô moça! Pela sua sinopse aguçou a vontade de ver esse filme. Vou procurar baixar.

    Bela dica e boa viagem a terra dos los hermanos!

    O Sibarita

    ResponderExcluir
  9. Sinto mas, você não entendeu muito o filme, nem muito os personagens, se achou eles doidos.

    ResponderExcluir